♥Cultura Cigana

No tempo do nazismo, os ciganos sofreram a mesma sorte dos judeus e dos homossexuais, assassinados lado a lado nos campos de concentração de Ravensbrück, Dachau, Buchenwald, Auschwitz e Birkenau.
Não se sabe bem por qual razão, os nazistas permitiram que conservassem seus instrumentos musicais.
A música serviu-lhes de último consolo.
Um sobrevivente não cigano relembra uma passagem do ano de 1939 em Buchenwald:
“De repente, o som de um violino cigano surgiu de uma das barracas, ao longe, como que vindo de uma época e de uma atmosfera mais feliz… Árias da estepe húngara, melodias de Viena e de Budapeste, canções de minha terra”.Música CiganaFoi na Europa central e oriental que a música cigana (vocal e instrumental) teve – e continua a ter – seu público mais fiel e apaixonado.

A Lua, Xanutú, para os ciganos é a Guardiã dos Mistérios deste povo. Chamada carinhosamente de Madrinha, a Lua exerce sobre este povo um poder mágico fascinante. Assim, todas as suas magias e encantamentos são feitos respeitando a fase da Lua.

O Batismo é sagrado para os ciganos

Na verdade, o primeiro Batismo da criança cigana acontece quando a mãe lhe sopra aos ouvidos um nome que apenas ela conhecerá. O banho de sorte faz parte deste ritual. As cerimônias religiosas de batismo são realizadas nas igrejas freqüentadas pela família do recém-nascido.

Nasce um cigano

Quando nasce um cigano, sua avó oferece a todos o pão das três fadas, para que o recém-nascido tenha sorte, saúde e prosperidade. A criança é então banhada numa pequena banheira ou num tacho numa mistura de água natural, vinho, flores, metais, ervas e perfumes. Estes ingredientes e o próprio ritual do banho do recém-nascido apresentam algumas variações de clã para clã.

 

A apresentação do recém-nascido à primeira Lua Cheia, após o seu nascimento é uma das tradições mais populares entre os ciganos brasileiros, principalmente os que vivem no interior do país. Para atrair a Boa Sorte e a proteção, a criança é erguida em direção à Lua pela avó ou pela madrinha, enquanto se diz:

“Lua, Lua, Luar, toma teu andar. Leva esta criança e me ajuda a criar. Depois de criada torna a me dar.”
 
 
 
 
 
 
 

 

Museu da Cultura Cigana

O museu destaca por meio de grandes telas e painéis em impressão digital, a história dos diferentes povos ciganos além de retratar o quanto essa cultura influenciou a música, as artes, a culinária e as danças em diferentes povos.
Faz parte da programação, a realização de cursos práticos e teóricos, conferências, debates, seminários sobre as tradições ciganas e além de promover intercâmbio com instituições congêneres do Brasil e do exterior.
 
 
 
 
 
 
 

 

Os ciganos e as cores

 

O povo cigano não aprecia a cor preta.

Evitam-na inclusive misturada com outras cores.
Esta cor lembra-lhes o luto, o drama, a inércia e o caos.
Para eles, a liberdade representa o colorido da vida.
Através das cores podemos obter o equilíbrio e a cura de muitos males físicos e espirituais.
O branco nos traz uma sensação de paz, tranqüilidade espiritual, discernimento no campo material e relaxamento mental. Deve ser usado para controlar nossa ansiedade e inquietude interior.
O amarelo libera nossa criatividade, ativa nosso poder mental, favorece a inteligência e nos devolve a autoconfiança, quando esta foi perdida. Deve ser utilizado em ambientes de leitura, estudo e negócios.
O azul claro é indicado para liberarmos a nossa emoção e trabalharmos a nossa sensibilidade. Tem efeito altamente relaxante.Deve ser usado durante a noite para dormir e para amenizar os estados de tensão.
O azul escuro traz confiança, disciplina, organização e estabilidade. Deve ser usado para trazer amadurecimento material eespiritual, e quando precisamos nos impor sem ferir os que estão aonosso redor.

O lilás lembra a meiguice, o romantismo e a fantasia. Deve ser utilizado quando nos encontramos em fases de extrema cobrança exterior, rigidez, desencantos e austeridade com os outros e com nós mesmos.

O violeta é a cor do poder, da evolução espiritual, da cura, do misticismo e do lado oculto da vida. Deve ser empregado quando estamos deprimidos, preguiçosos, negativos, solitários e rancorosos.

O verde é bom para a saúde, para o coração, para o lado emocional. Traz-nos esperança, harmonia, confiança e disposição para viver. Deve ser usado quando estamos debilitados física, emocional e espiritualmente. Recupera o nosso vigor, nossa agilidade e juventude.

O rosa traz suavidade, amor, receptividade e alegria de viver. Muito bom para crianças, velhos e pessoas carentes. Deve ser usado para os momentos em que só encontramos defeitos em tudo e todos, nos lamentamos das oportunidades perdidas e não achamos graça em nada.

O vermelho nos remete às paixões, ao otimismo, à luta pela vida, ao lado de guerreiro que mora dentro de cada um de nós. Deve ser utilizado quando precisamos de energia, excitação, força, coragem. Esta cor aflora os desejos mais íntimos, tanto sexuais quanto amorosos.

O laranja, cor sagrada para este povo que veio do Oriente,representa o entusiasmo, a liberdade, o magnetismo e o prazer de estarmos vivos. Deve ser usada para quando nos encontramos presos asituações, quando nos sentimos isolados e buscamos o sucesso na vida.

“Os ciganos são os novos judeus da nova europa, com uma distinção fundamental: enquanto os judeus montaram uma grande indústria da memória das perseguições que sofreram, os ciganos tem como base de sua cultura a arte de esquecer”

O HOLOCAUSTO CIGANO

A mais selvagem e bárbara perseguição aos ciganos de que se tem notícia, em toda a História da Humanidade, ocorreu não em séculos passados, entre povos então ditos “primitivos” ou “selvagens”, ou no Brasil, mas em pleno Século XX, na Alemanha, país (pelo menos até então) considerado “civilizado”. As únicas vítimas do terror nazista que costumam ser lembradas, no entanto, são apenas os judeus, e quase nunca os ciganos. Enquanto hoje a bibliografia sobre o holocausto judeu é imensa, não faltando inclusive museus e memoriais especialmente construídos para lembrar este triste genocídio, o holocausto cigano sempre foi considerado um fato de menor importância. Os documentos históricos provam que não foi bem assim e que, lamentavelmente, ao lado de cerca de seis milhões de judeus, nos mesmos campos de concentração, nas mesmas câmaras de gás, nos mesmos crematórios, ou então fora deles num lugar qualquer da Europa, foram massacrados também cerca de 250 a 500 mil ciganos. Só recentemente começaram a ser publicados ensaios, inclusive por autores alemães da geração pós-guerra, sobre este “holocausto esquecido”, o holocausto cigano, que os intelectuais ciganos de hoje preferem chamar de ‘poraimos’, para diferenciá-lo do holocausto judeu.
Bandeira Cigana
 
Os ciganos, apesar de viverem em acampamentos possuem uma bandeira.
 
Ao longo dos tempos não existiu ou existe povo tão perseguido — excluído dos excluídos) e, ao mesmo tempo, feliz porque ciganos são fortes, tenazes, indomáveis e, dentro do sofrimento, tiram forças para sorrir, brincar e cantar. São fugidios traços, muito mais poderia ser escrito, pois ao longo dos séculos eles, os ciganos, nos têm ensinado lições de liberdade, pacifismo, coexistência, solidariedade, felicidade e sobrevivência, que teimamos em não ver, nem aprender.
Moral Cigana
 
A moral cigana é rígida.
 

Valores e comportamentos éticos

Os ciganos têm valores e comportamentos éticos que seriam motivos de orgulho para qualquer etnia. São eles:

Leis dos ciganos

Não são como as nossas, são consuetudinárias.
Este povo tem o costume irrestrito de obedecer à “lei” dos mais velhos.
Quem manda é o chefe, o barô ou voivoda ou capitão.
Sua palavra tem força de lei. Ressalte-se o grande respeito que têm pelas pessoas mais idosas, e a matriarca (phury daj) tem a palavra final em todas as questões, não obstante a sociedade cigana ser patriarcal. Contudo, os ciganos se adequam, obedecem e respeitam as leis do país que os acolhem. Porém, o que vale para este povo é a unidade familiar, onde tudo é resolvido. Quando o cigano comete um delito à luz de seus costumes, eles se reúnem num tribunal que denominam Kris. A resolução tem que ser encontrada em conjunto pelo grupo dos mais velhos (de homens ou de mulheres), consoante o prevaricador seja homem ou mulher, e adotada por consenso, com base nos valores da moralidade e de respeito pela honra e pureza.
O castigo, que penaliza o infrator, é imposto pela comunidade, dada a inexistência de polícia cigana. As decisões são finais, irrecorríveis. A pena mais drástica não é pena de morte, é o exílio. Pois a privação da vida comunitária é o que de pior pode acontecer a um elemento da etnia cigana. Ser expulso, ser exilado é uma quase-morte para o indivíduo. Após o perdão ou cumprida a pena, o indivíduo volta ao seio do grupo e o regozijo é geral.
 

Pacifismo

 
Os Quatro Elementos
 
 Povo Cigano sempre se valeu dos elementos da natureza como amigos, utilizando a Sabedoria dos Ventos, a Paciência dos Riachos, a Fortaleza dos Campos e a Luz das Fogueiras para viver, predizer, orientar, acalmar e se harmonizar, sem medir forças com o mundo, mas viver em harmonia dentro dele.
 

Origem

De origem incerta, cercado de mistério e preconceitos e impiedosamente perseguido ao longo dos séculos, o povo cigano faz do planeta a sua pátria….
…, “no sexto dia, Deus resolveu criar o Homem. Tomou uma poção de barro, modelou uma estátua e a colocou em um forno. Resolveu então dar um passeio pelo Jardim do Éden e acabou por se esquecer de sua obra. Quando retornou, encontrou a sua criação queimada. Surgiu assim o primeiro homem negro. Resolveu tentar de novo, mas, no meio do cozimento, abriu o forno para espiar e o resultado foi uma figura pálida, o ancestral dos homens brancos. Finalmente, criou um terceiro homem, de barro cozido, no ponto exato, no tom da amêndoa. Surgia assim o primeiro cigano. Deus ficou tão contente com essa criação que o deixou habitar livremente todos os lugares da Terra, para espalhar beleza e alegria a todos os outros povos com que habitou o planeta.”

Nem cobiçamos a terra

nem guerreamos, nós ciganos.

Viva nosso povo, ileso

entre cristãos e otomanos!

O pacifismo tem raízes profundas na alma gitana. A bandeira que tenta uni-los traz em seu centro o símbolo de Asoka , também adotado no pendão da Índia; é a roda de dezesseis raios Não se conhece no mundo inteiro, na história da humanidade, um só exemplo de que ciganos tenham pegado em armas contra outros povos. Não lhes move qualquer ambição de conquista, nem querem território.
Relembremos que o seu lema é a Terra é minha pátria. Em o Cancioneiro romeno, de Stella Leonardos, lemos, à p. 101, a Canção do Bulibacha , da qual retiramos esta estrofe que nos dá a medida do pacifismo cigano:

* Respeito à família como instituição suprema da sociedade cigana;
* amor aos filhos, consideração e respeito aos velhos;
* hospitalidade com alegria;
* honrar a palavra dada e fidelidade à Lei cigana;
* liberdade como condição natural da vida;
* solidariedade para com os membros da etnia cigana;
* cumprimento das decisões tomadas pelos maiores.

O centro da moralidade cigana é a família, pequena ou grande, e para defendê-la, criou-se todo um código interno que tutela os direitos de sangue, de matrimônio e de valor. Entretanto não existe obrigação moral, com relação aos que estão fora do grupo. Juan de Dios Ramirez Heredia (um cigano erudito, espanhol, do grupo calom) oferece uma espécie de Decálogo deste código moral interno.

Segundo este código, é pecado para um cigano :

1. não ajudar outro cigano

2. violar os direitos de outro cigano

3. faltar com o respeito para com os mais velhos

4. faltar à palavra dada entre ciganos

5. abandonar os filhos

6. a separação conjugal por traição

7. a maternidade antes do matrimônio

8. a falta de pudor no vestir e os modos de comportar-se

9. furtar num lugar sagrado

10. ofender a memória dos mortos.

“Os ciganos não têm heróis. Não existe nenhum mito de uma grande liberação, da fundação de uma “nação”, de uma terra prometida [como os judeus tinham]. Não têm Rômulo e Remo [como tiveram os romanos], nem um combatente e andarilho Enéias . Não têm monumentos, nem altares, nem hinos, nem ruínas. E não têm livro sagrado”. E por isso mesmo, achamos nós, eles são felizes.

A bandeira como está foi instituída como símbolo internacional de todos os ciganos do mundo no ano de 1971, pela internacional Gypsy Committee Organized, no first world Romani Congress (primeiro congresso mundial cigano), realizado em Londres.

Seu significado
A roda vermelha no centro simboliza a vida, representa o caminho a percorrer e o já percorrido, a tradição como continuísmo eterno, se sobrepõe ao azul e ao verde com seus aros representando a força do fogo, da transformação e movimento.

O azul
Representa os valores espirituais, a paz, a ligação do consciente com os mundos superiores, significando a libertação e a liberdade.
O verde
Representa a mãe natureza, a terra, o mundo orgânico (subterrâneo), a força e a luz do crescimento vinculado com as matas, com os caminhos desbravados e abertos pelos ciganos. Representa o sentimento de gratidão e respeito pela terra, o que ela nos oferece, de preservação pela natureza. Simboliza também a relação de respeito por tudo que ela nos oferece proporcionando a sobrevivência do homem e a obrigação de ser respeitada pelo homem que dela retira seus suprimentos, devendo protegê-la.

 

11 Respostas to “♥Cultura Cigana”

  1. marilene araujo motta Says:

    sou cigana de alma como fazer o curso a distancia obrigada

  2. marilene araujo motta Says:

    a origem dos ciganos ainda uma icognita mas para os outro se preocupam com isso,rom,manush ou sinti,gitanos,yenish tem lingua propia costumes e tradiçoes propios o mais importante e o respeito ao local aonde estao

    marilene

  3. Deliene almeida Says:

    SOU CIGANA AMO ESTA CULTURA MEU DEUS COMO SOU A PAXONADA POE VOCEIS ESTE CANTINHO ME FACINA LIDISMO

  4. you have got a really useful blog i have been here reading for about an hour. i am a newbie and your success is very much an inspiration for me..

  5. your work is very appreciated for me, i always read your posts.

  6. this is a great and very valuable information about this topic. thank you very much for sharing.

  7. luz13 Says:

    Conheci o Povo Cigano com Aline, da Cidade das Pirâmides e, tenho um respeito e gratidão enorme a eles e a Cigana Shalimar!!
    Vocês conhecem o Programa De Olho No Mundo?(www.deolhonomundo.com) Aline em seu programa analisa a essência humana, o mundo, astrologia, fenômenos ocultos…, em sua plenitude. Tenho certeza que vocês gostarão. Abçs.

  8. claravieira Says:

    euamociganosmaistenhoternurapelaanaturezaamotodososelementosdanaturezaaluameenchedealegriaopaisolinluminatodososmeusdiasaeoventoémeuamigoeasestrelassãoaquelespontinhosnoceuachvamerefrescaenfimamotodososelementosdaterrameunomeéclaravieira

  9. Witalo Batista Says:

    Minha mae quando nasceu, ela teve o batismo de cigana, mas ela não segue essa cultura porque infelismente na nossa familia quando meu avo materno morreu é como se essa cultura tivesse ido com ele. Minha mae foi a ultima de nossa familia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: