♥O Condor e a Águia


Certa vez;
o Condor cansado da solidão das alturas dos Andes,
desceu para um vôo mais próximo a outros pássaros.
Trazia dentro de si, muito desânimo e muita descrença.
Quando olhando para uma montanha,
que para ele, não era tão alta;
observou que havia uma Águia bem vistosa,
que lhe chamava a atenção, pela astúcia e seriedade que transmitia.
E com tantos outros pássaros que poderia ter se aproximado,
escolheu-a para conversar.
A Águia mostrou-se bem receptiva ao Condor.
Conversaram por vários dias seguidos e em espaços pequenos.

E o Condor apesar de muito desconfiado,
começou a simpatizar-se com a esperteza e sonhos de vitória da Águia.
E por várias vezes, a Águia chamava a atenção do Condor,
pelo comportamento depressivo, que ele demonstrava ter,
nos seus momentos de volta ao passado.
Fazia com isso, que o Condor visse, que a vida continuava
e ele precisaria voltar para suas alturas.
O Condor, sem muito esforço; foi-se levantado e olhando para frente;
com perspectivas de ter ao seu lado, aquela amiga que lhe transmitia
ensinamentos de força e astúcia.
E dentro do coração do Condor, algo muito grande foi crescendo.
E a Águia com toda sua lucidez; foi incapaz de contrariar tal sentimento.
O tempo passou e o outono chegou.
A comida já estava ficando escassa na região.
Então o Condor, propôs à sua amiga, que fossem para outro local,
onde pudessem encontrar mais alimento e mais condições de vida.
A Águia neste momento, se mostrou desconfiada
da necessidade do Condor em tê-la junto, para tal tarefa.
E não conseguindo ver sentimento de ” carinho ”
e ” amor ” no convite do Condor; ficou meio receosa ao aceitar o proposto .
Mas como não havia outra solução de imediato,
balançou sua cabeça e abriu suas lindas asas para o vôo.
E já exaustos de horas e horas de vôo, sobrevoaram um deserto;
onde o sol escaldava a areia com seu calor devastador.
O Condor observava que sua amiga estava exausta e lhe propôs:

-Vamos descer um pouco?
Afinal estamos voando a dias;
e você deve estar como eu,
muito cansada e com certeza encontraremos água
e comida lá em baixo!

A Águia olhou com seus olhos astutos para baixo
e talvez sem pensar na preocupação do Condor para com ela, respondeu-lhe:

-Como você tem coragem de acreditar que neste deserto
conseguiremos encontrar água e comida?
Será que não percebe que se descermos, morreremos escaldados pelo sol
e serviremos de alimento para outro animal qualquer?
O Condor neste momento, sentiu a racionalidade da Águia
e a sua falta de vontade em querer acreditar,
que alguma coisa de bom, pudesse acontecer na tentativa.
Era como se a Águia houvesse assumido uma outra personalidade
diferente da demonstrada a um bom tempo atrás.

O Condor calou sua voz, mas seus pensamentos debulhavam as palavras
e atitudes demonstradas pela Águia.
Seguiram por mais alguns dias calados e sufocados pela fome,
cansaço e dúvidas entre si.
E todas as vezes que o Condor tentava entrar
no mérito da questão, querendo entender o que se passava;
a Águia sempre muito racional e até fria;
lhe achava incompreensível e cobrador de algo,
que com certeza, o Condor não tivesse direito.
Ao passarem bem próximo a uma linda cachoeira,
o Condor entusiasmado disse:
-Olhe só, quanta água!

Deve ter peixes grandes ali e você com sua rapidez, poderia caçar por nós.
Suas garras apanhariam os peixes e comeríamos para matar nossa fome.
A Águia olhou para baixo e respondeu-lhe:

-Como você quer que eu chegue próximo aos peixes
se o volume da água deste rio é imenso!
Poderia me sufocar com a pressão da água sobre mim!
E se tentasse apanhá-los próximos às pedras;
poderia um jato forte da água desta cachoeira,
me derrubar para dentro do rio e eu morreria.
Será que você não consegue enxergar o que está me pedindo?
O perigo que corro? As dificuldades que teria que enfrentar para vencer isto?
Será que você não vê que estaria arriscando tudo o que tenho,
por uma tentativa que poderia não dar em nada?
Não consegues entender, que nada valeria este risco?
O Condor, neste momento;
sentiu que não estava mais falando com a Águia que conhecera.
E neste momento, mais do que os outros; sentiu-se só novamente.
Mas já não mais queria sufocar o que pensava,
porque havia agora uma necessidade pessoal de falar.
E quando tentou mostrar à Águia o que sentia
com relação ao que estavam passando;
a Águia mais que rapidamente e extremamente racional;
mostrou-lhe, que suas prioridades eram outras.
E que o Condor, era apenas uma boa companhia
enquanto se silenciava ou escutava o que ela dizia.
O Condor sentiu-se novamente só… bem só…
Mas uma solidão um tanto quanto pior,
porque ela vinha acompanhada de sentimento.
E ainda tentou, mesmo de maneira errada,
mostrar para a amiga, que ainda poderiam voar juntos.
Mas foram tantas as tentativas frustadas, que o Condor um dia;
como a Águia, usou de racionalidade e afastou-se,
mas com esperanças de que sua companheira ainda pudesse lhe procurar.
E em meio a uma grande discórdia,
levantou seu vôo sem dizer adeus;
pois dentro de si, ainda queria a Águia próxima a ele.
Ainda sonhava com o vôo bem suave e caloroso
que poderiam realizar juntos.
Quando já estava a uma boa distância, teve a necessidade de olhar para trás.
Mas o vento soprava fortemente.
A distância entre ambos já era muito grande,
que os olhos do Condor, não mais puderam ver os olhos da Águia.
Talvez ambos tenham se arrependido, de não terem tentado voltar atrás
e recomeçar seu vôo juntos, mas silenciaram-se.
O Condor ainda esperaria; mas conhecendo sua amiga,
sabia que ela nunca o procuraria; porque sua racionalidade
era bem mais forte que seu sentimento.
E os sentimentos de ambos, eram medidos pela Águia ( sempre racional )
com uma desvantagem para o Condor: ” ele a amava mais “!

E se foram…

Para onde?

Não se sabe;
mas ainda se ouve o bater das asas solitárias do Condor
nos altos das Cordilheiras e o grito da Águia nas montanhas;
à procura do que ela com certeza; não deu conta
de que era “sentimento”.

À uma águia, que em meio a sua tentativa de vôo;
fez um Condor muito feliz!
Que ela possa descobrir, que a racionalidade e os sonhos,
devem caminhar juntos e serem dosados com muito amor,
para que se possa ser feliz!
Simplesmente feliz!!!

Autora: Márcia Zauza


♥A águia é usada como símbolo, dos que confiam em Deus. Esse brilho é intenso e interessante desde sua origem. As águias podem levar até um ano para voarem sozinhas. Pessoas verdadeiras são como águias, podem levar tempo para amadurecer. Podemos ver pombos, andorinhas e periquitos voando em bandos, as águias não, elas estão sempre sozinhas. Ficam no alto olhando o azul infinito. Não tenhas medo de ficar só. Geralmente o cristão anda na contramão da vida. Voe alto, embora os que voam alto não sejam compreendidos. São em vez disso temidos, criticados e muitas vezes condenados.

2 Respostas to “♥O Condor e a Águia”

  1. Maravilhoso este texto.
    uma reflexão e tanto para o sentido da vida.
    Namastê.

  2. i’m grateful for the given information.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: